Este modo de apresentação pode trazer problemas na formatação de fórmulas e é mostrada
apenas para que o leitor tenha uma visão geral do artigo. Para uma melhor visualização, por favor,
feche esta janela e abra a versão ".pdf".


img
ACETILCOLINESTERASE: ALZHEIMER
E GUERRA QUÍMICA
Elaine da Conceição Petronilhoa, Angelo C. Pintob e José Daniel Figueroa Villara*
Grupo de Química Medicinal, Departamento de Química, Instituto Militar de Engenharia,
a
Praça General Tibúrcio, 80, 22290-270, Praia Vermelha, Rio de Janeiro, RJ, Brasil..
Instituto de Química, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 21941-970, Cidade Universi-
b
tária, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
* jdfv2009@gmail.com
.
ABSTRACT
The inhibition of human acetylcholinesterase (AChE) has several important
applications in medical treatments, especially in Alzheimer's Disease (AD), which
is one of the main causes of dementia in the elderly and affects about 35.6 million
people worldwide. This disorder leads to decreased activity of cholinergic neurons,
a problem that can be treated by increasing the amount of the neurotransmitter
acetylcholine (ACh). The best way to increase the concentration of ACh is the inhi-
bition of AChE. AChE drugs inhibitors used for the treatment of AD are donepezil,
galantamine, rivastigmine, and tacrine. Another threat to humanity are the chemical
warfare agents known as nerve agents, which deserve special attention because
of its high lethality and danger. Most nerve agents are organophosphorus (OP) that
act mainly by inhibiting AChE which is essential for controlling the transmission of
nerve impulses. When inhibited by these compounds, AChE can be reactivated by
cationic oximes such as pralidoxime (2-PAM). This review will be a discussion of the
structural and biological characteristics of AChE, followed by a review of Alzheimer's
disease and OP compounds and their application as chemical warfare agents.
Keywords: Acetylcholinesterase, Alzheimer's disease, organophosphorus
compounds.
RESUMO
A inibição da acetilcolinesterase (AChE) humana tem várias aplicações impor-
tantes em tratamentos médicos, especialmente na doença de Alzheimer (DA), que é
uma das principais causadoras de demência em idosos e afeta cerca de 35,6 milhões
de pessoas em todo o mundo. Esta doença causa a diminuição da atividade dos neu-
rônios colinérgicos, um problema que pode ser tratado aumentando a quantidade do
neurotransmissor acetilcolina (ACh). A melhor maneira de aumentar a concentração
de ACh é pela inibição da AChE. Os fármacos inibidores da AChE utilizados para o
tratamento da DA são donepezil, galantamina, tacrina e rivastigmina. Outra ameaça
para a humanidade são os agentes de guerra química conhecidos como agentes
de nervos, que merecem atenção especial devido a sua alta letalidade e perigo. A
3o Trimestre de 2011 ­
3
img
maioria dos agentes de nervos são organofosforados (OF) que atuam principalmente
através da inibição da AChE que é essencial para controlar a transmissão de impulsos
nervosos. Quando inibida por estes compostos, a AChE pode ser reativada por oximas
catiônicas como a pralidoxima (2-PAM). Esta revisão trata das características estrutu-
rais e biológicas da AChE, seguida por uma revisão da doença de Alzheimer e compos-
tos organofosforados e sua aplicação como agentes de guerra química.
Palavra chave: acetilcolinesterase, doença de Alzheimer, compostos organo-
fosforados.
INTRODUÇÃO
A acetilcolinesterase
A acetilcolinesterase (AChE) é uma enzima pertencente a família das colines-
terases, sendo responsável pela finalização da transmissão dos impulsos nervosos
nas sinapses colinérgicas pela hidrólise do neurotransmissor acetilcolina (ACh). A
AChE está presente no sistema nervoso central e periférico (Rang, 2001).
No periférico ela é responsável pela modulação dos impulsos nervosos que
controlam os batimentos cardíacos, pela dilatação dos vasos sanguíneos e pela
contração dos músculos lisos enquanto que no central ela está envolvida no con-
trole motor, na cognição e na memória.
A ACh é um neurotransmissor formado na região terminal dos neurônios, cha-
mada de axônio terminal (Figura 1). Ela permanece armazenada em vesículas sináp-
ticas e, quando um impulso nervoso chega no axônio terminal, é liberada pelo neu-
rônio para a região sináptica, onde é atraída pelos receptores colinérgicos que estão
localizados no próximo neurônio. Quando a ACh interage com os receptores rege-
nera o impulso nervoso no neurônio, levando assim a continuidade da transmissão.
Uma vez transmitido, o impulso nervoso é importante que o processo de intera-
ção da ACh com o receptor seja interrompido, para evitar o excesso de transmissão
nervosa, que pode levar a problemas de funcionamento do corpo (Patrick, 2001). O
nosso organismo possui a enzi-
ma AChE, que recolhe o neuro-
transmissor ACh e realiza uma
forte modificação na sua estru-
tura molecular converto-a em
colina (Ch), que é reabsorvida
pelo primeiro neurônio para ser
reconvertida em ACh, permitin-
do assim a sua reutilização na
transmissão de impulsos nervo-
sos (Figura 1). A modificação da
ACh é um processo de hidróli-
se, como mostrado na Figura 2.
Figura. 1. Esquema do processo de transmissão e controle
nervoso nas sinapses.
4
­ 3o Trimestre de 2011
img
Figura. 2. Hidrólise da ACh pela AChE.
A AChE possui uma alta eficiência catalítica, com capacidade de hidrolisar até
6X105 moléculas de ACh por molécula de enzima por minuto (Silman, 2005). Esta-
enzima possui um sítio ativo onde existem três resíduos principais de aminoácidos,
os quais estão envolvidos diretamente no processo de hidrólise da ACh, a serina
número 200 (Ser200), a histidina número 440 (His440) e o ácido glutâmico número
327 (Glu327), como mostrado na Figura 4 (Sussman, 1991). No sítio ativo também
existe uma região aniônica, que serve para interagir com a parte catiônica da ACh
e que orienta este substrato para a posição necessária para sofrer o processo de
hidrólise (Taylor, 1999).
Figura 3. Esquema simplificado do sítio ativo da AChE de T. californicum..
Além do sítio "aniônico" catalítico, existe um segundo sítio aniônico, conheci-
do como sítio "aniônico" periférico (peripheral anionic site ­ PAS). Este sítio iden-
tificado com base na ligação de compostos bis-quaternários pode estar envolvido
na ação de alguns inibidores da enzima ou na inibição por excesso de substrato
(Silman, 2005; Nunes-Tavares, 2002). Sendo assim, a ocupação do sítio aniônico
periférico (PAS) influenciaria a conformação do sítio ativo, assim como a afinidade
ou configuração dos compostos ligados ao centro ativo. Além do sítio catalítico e do
PAS, existe o sítio de ligação à colina, caracterizado por possuir resíduos de tripto-
fano hidrofóbicos, além de grupos aniônicos. Este sítio pode ser alvo de inibidores,
que impediriam a saída do produto de reação.
A AChE está envolvida em dois grandes processos: a doença de Alzheimer
(DA) e a intoxicação por compostos organofosforados (OF) empregados como
agentes de guerra química.
3o Trimestre de 2011 ­
5
img
DOENÇA DE ALZHEIMER
A DA é um dos maiores problemas de demência que se tem conhecimento.
Descoberta em 1907, pelo neuropatologista Alois Alzheimer, esta doença afeta cer-
ca de 35,6 milhões de pessoas atualmente (http://www.folha.com.br/eq802930), na
grande maioria, idosos. É uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível,
de aparecimento insidioso, que acarreta vários distúrbios cognitivos como perda de
memória, linguagem, razão e habilidade de cuidar de si próprio (Smith, 1999).
A DA pode apresentar-se de forma tardia, geralmente de incidência ao redor
dos 60 anos, e, também, pode se apresentar de forma precoce com a incidência
ao redor dos 40 anos, que mostra uma recorrência familiar. Esta patologia pode
ser dividida em quatro fases: inicial, moderada, grave e terminal. Na fase inicial a
pessoa começa a perceber os primeiros sintomas como alterações de memória,
personalidade e habilidades espaciais e visuais. Na fase moderada, o paciente fica
incapaz de aprender e reter informações, apresenta insônia, agitação e dificuldade
de falar e realizar tarefas diárias simples. Na fase grave, o paciente apresenta difi-
culdade motora progressiva, dificuldade para comer, incontinência fecal e urinária.
E na Fase terminal, o paciente é incapaz de andar, falar e apresenta infecções
intercorrentes ficando restrito ao leito.
Ainda não se conhece a causa específica desta doença, mas estudos indi-
cam que parece haver certa pré-disposição genética para sua ocorrência. Além
do fator genético, outros estudos apontam como agentes etiológicos a toxicidade
de agentes infecciosos, do alumínio, de espécies reativas de oxigênio (ERO) e de
aminoácidos neurotóxicos (Freitas, 2001).
Geralmente, a DA dura cerca de 8 a 10 anos, desde os primeiros sintomas até a
morte. As regiões do cérebro como hipocampo e córtex cerebral, que estão associadas
às funções mentais como reconhecimento de estímulos sensoriais, memória e pen-
samento abstrato, são as mais afetadas pelas alterações bioquímicas causadas pela
DA. Uma das maiores evidências da ocorrência da doença é a deposição do peptídeo
β-amilóide em placas que causam destruição de neurônios por criar um processo in-
flamatório crônico nas regiões afetadas, alterar a regulação de cálcio, essencial para
a condução dos estímulos nervosos, e aumentar a produção de radicais livres, tóxicos
para as células nervosas (Demarin, 2011; Viegas Jr., 2004; Good, 1996).
Na doença de Alzheimer ocorre a deficiência de neurotransmissores que são
responsáveis pela transmissão dos estímulos nervosos transmitidos de um neurô-
nio a outro. O principal neurotransmissor é a ACh que está envolvida diretamente
nos processos motores, cognitivos e de memória. A DA gera a degradação de neu-
rônios diminuindo a atuação da ACh, a qual é degradada pela ação de enzimas.
Apesar da DA não ter cura, existe um tratamento que tem sido bastante eficaz em
diminuir os sintomas desta doença que é o uso de fármacos inibidores da AChE
(anticolinesterásicos) para evitar a degradação da ACh.
Em relação à ligação que estabelecem com a AChE, os anticolinesterásicos po-
dem ser classificados em reversíveis, irreversíveis e pseudo-irreversíveis. Uma das
primeiras substâncias testadas foi a fisostigmina (1) (Figura 4), que é um inibidor rever-
sível da AChE. Este composto apresentou uma melhora leve da memória em pacien-
tes com DA mas teve seu uso restrito devido a seus efeitos colaterais (Gilman, 2005).
6
­ 3o Trimestre de 2011
img
Figura 4 ­ Fisostigmina, primeiro fármaco usado no tratamento da DA.
Atualmente apenas quatro inibidores da AChE são aprovados pela agência
Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para o tratamento da DA: donepezil (2)
(Aricept®), galantamina (3) (Reminyl®), rivastigmina (4) (Exelon®) e tacrina (5) (THA,
Cognex®), (Figura 5). A tacrina, entretanto, tem uso limitado devido a hepatotoxicida-
de, levando os pacientes a descontinuarem o tratamento (Viegas Jr., 2004).
Pelo fato das substâncias atualmente utilizadas para reduzir os sintomas cau-
sados pela DA apresentarem efeitos colaterais, mostra-se a necessidade do desen-
volvimento de novos fármacos.
Figura 5 ­ Inibidores da AChE utilizados para o tratamento da doença da DA.
ORGANOSFOSFORADOS: INIBIDORES DA ACETILCOLINESTERASE
Os Compostos OF são ésteres ou tióis derivados do ácido fosfórico, fosfônico,
fosfínico ou fosforamídico, que possuem em sua estrutura um átomo central de fós-
foro pentavalente, com grupos arila ou alquila ligados diretamente a este, formando
fosfinatos (6), ou através de um átomo de oxigênio ou de enxofre, formando fosfa-
tos (7), fosforotioatos (8), fosfonotioatos (9) e fosfonatos (10) (Figura 6) (Domingos,
2003; Santos, 2007).
3o Trimestre de 2011 ­
7
img
Figura 6 ­ Exemplos de compostos OF neurotóxicos.
Os primeiros compostos OF foram sintetizados no final da década de 1930 por
um cientista alemão chamado Gerhard Schraeder, quando este pesquisava insetici-
das tendo como base uma estrutura organofosforada. Estes trabalhos deram origem
a compostos mais potentes, que depois vieram a ser utilizados como armas químicas
(Domingos, 2003).
Esses fosfatos orgânicos inibem a ação de várias enzimas, principalmente a
AChE (Domingos, 2003). Sendo assim, a inibição da AChE gera um acúmulo de ACh,
provocando um colapso do sistema nervoso central, causando perda do controle
muscular, convulsões e morte por parada cardiorrespiratória. Existe uma gama de
agentes neurotóxicos, dentre estes os mais conhecidos são: Tabun (11) (GA), Sarin
(12) (GB), Soman (13) (GD), Ciclo-Sarin (14) (GF), e O-etil S-(2-(diisopropilamino)-
-etil)-metilfosfonotioato (15) (VX), sendo GA, GB, GD, GF e VX os códigos atribuídos
pela OTAN para a identificação desses agentes químicos (Figura 7).
Figura 7 ­ Agentes neurotóxicos de guerra mais comuns.
8
­ 3o Trimestre de 2011
img
O processo de intoxicação por neurotóxicos ocorre no sistema nervoso central
e no sistema nervoso periférico. Os OF têm grande afinidade pela enzima AChE
que, uma vez inibida, não será mais capaz de hidrolisar a ACh. A inibição ocorre no
interior do sítio ativo, no aminoácido serina da tríade catalítica, via uma interação
com o OF. No caso da AChE humana (HuAChE), o OF liga-se covalentemente a
Ser 203. Esta ligação ocorre entre o átomo de fósforo do organofosforado e o áto-
mo de oxigênio da serina, com subseqüente saída do grupo -X do OF (Ordentlich,
2004), conforme mostrado no esquema mecanístico da Figura 8.
Figura 8 ­ Esquema geral de inibição da AChE, onde -X é o grupo de saída do agente OF.
Reativação da AChE
Como discutido anteriormente, os compostos organofosforados possuem a
capacidade de inibir a AChE pelo processo de fosforilação. Quando isto ocorre, o
sítio esterásico fosforilado pode sofrer regeneração hidrolítica espontânea, porém,
com uma velocidade lenta ou insignificante. Em 1951, Wilson (Gilman, 2005) mos-
trou que compostos contendo grupos nucleofílicos, como as oximas (RCH=NOH),
hidroxilaminas (NH2OH) e ácidos hidroxâmicos (RCONH-OH), reativavam a enzima
com maior rapidez que a hidrólise espontânea. Wilson (Gilman, 2005) constatou
que a AChE fosforilada poderia ter a atividade esterase restaurada por substâncias
que deslocassem o grupo fosforila da enzima. Esta reativação seletiva poderia ser
alcançada por um composto contendo um nitrogênio quaternário e um nucleófilo,
onde o nitrogênio quaternário interagisse com o sítio "aniônico" catalítico, deixando
3o Trimestre de 2011 ­
9
img
o nucleófilo em posição oposta ao átomo de fósforo (Musilek, 2011).
Wilson e Ginsburg conseguiram esse feito com a pralidoxima, conhecida com
2-PAM (16) (Figura 9). Esta substância reativa a enzima 1 milhão de vezes mais
rápido do que a hidroxilamina. Oximas bis-quaternárias também foram testadas e
mostraram ser reativadoras potentes da AChE, como por exemplo a HI-6 (17). As
estruturas da 2-PAM e da HI-6 são mostradas na Figura 9.
Figura 9 ­ Estruturas da pralidoxima e da HI-6.
Um mecanismo proposto para a reativação da acetilcolinesterase é mostrado
na Figura 10 e sugere que para a reativação da enzima ser eficiente esta depende
da nucleofilicidade da substância, neste caso do oximato. A oxima efetua um ataque
nucleofílico sobre o átomo de fósforo, formando uma fosforiloxima (Kuka, 2006).
Figura 10 ­ Esquema geral de reativação da AChE por oximas.
Envelhecimento da AChE Fosforilada
O "envelhecimento" da enzima fosforilada ocorre por desalquilação do grupo
fosfato e a facilidade desta reação depende da estrutura química do inibidor. Com a
enzima "envelhecida" a chance de reativação por uma oxima é mínima. Na enzima
envelhecida, há uma interação forte entre o resíduo de histidina protonado do sítio
catalítico e o átomo de oxigênio carregado negativamente do grupo fosfato (Figura
11) (Worek, 2008).
10
­ 3o Trimestre de 2011
img
Figura 11 ­ Processo de envelhecimento da AChE fosforilada.
Tratamento
Os princípios de tratamento médico para pessoas intoxicadas por OF são os
mesmos aplicados para qualquer outra substância tóxica como: não exposição ao
agente tóxico, criação ou manutenção de ventilação adequada, administração de
antídotos adequados e, por fim, correção de anomalias cardíacas (Marrs, 1996).
A quimioterapia utilizada para o tratamento da intoxicação com compostos
OF inclui o uso de três tipos de fármacos: (1) uma substância anticolinérgica, para
antagonizar os efeitos do acúmulo de ACh nos receptores colinérgicos, (2) um de-
pressor do sistema nervoso central, que atua como um anticonvulsivante, e (3)
uma oxima para reativar a AChE inibida (Marrs, 1996; Delfino, 2009). A atropina
(17) (Figura 12), é o anticolinérgico mais utilizado pois compete com a ACh pelos
receptores muscarínicos, bloqueando os efeitos do excesso de ACh. Na classe
de depressores do sistema nervoso central, o diazepam (18) (Figura 12) é o mais
empregado.
Figura 12 ­ Estruturas da atropina e do diazepam.
Até o momento, nenhuma oxima apresentou resultados satisfatórios para re-
ativar a AChE inibida por todos os agentes neurotóxicos, sendo esta a principal
deficiência atual deste tratamento. As principais oximas utilizadas são 2-PAM (15),
trimedoxima (TMB-4) (19) e obidoxima (ou toxogonina) (20) (Musilek, 2011; Delfino,
2009), cujas estruturas são mostradas na Figura 13.
3o Trimestre de 2011 ­
11
img
Figura 13 ­ Principais oximas empregadas na atualidade como antídotos para intoxicação por OF.
Assim, a falta de um composto com largo espectro estimulou a síntese de no-
vas oximas. As principais delas são as oximas de Hagedorn, que mostraram uma
promissora reativação da AChE inibida pelo agente neurotóxico soman (13) (Pe-
troianu, 2008). A eficiência das oximas varia de acordo com a estrutura do compos-
to organofosforado e, geralmente, estas são utilizadas para a reativação da AChE
considerando que a enzima fosforilada ainda não esteja "envelhecida". Assim a
efetividade do tratamento depende da administração do antídoto imediatamente
após a exposição ao OF, quando a enzima fosforilada ainda não está "envelhecida".
Existem outros tipos de tratamentos para evitar e diminuir a intoxicação por
OFs. Um deles é utilizado quandouma expectativa de exposição aos agentes
neurotóxicos. Este tratamento consiste numa proteção da AChE por uma pré-expo-
sição a inibidores reversíveis, os carbamatos, que se ligam a AChE, impedindo que
a enzima se ligue ao OF de modo irreversível. Outro tratamento, surgido no final do
século XX, consiste na utilização de enzimas (colinesterases, fosfotriesterases ou
paraoxonases humanas) que degradam os organofosforados na corrente sanguínea
antes que eles interajam com a AChE, os chamados "scavengers'' (Kuka, 2009).
CONCLUSÃO
A doença de Alzheimer é um dos principais problemas de demência e afeta
milhões de pessoas em todo o mundo. As substâncias atualmente utilizadas para
reduzir os sintomas causados pela DA apresentam altos efeitos colaterais, eviden-
ciando, assim, a necessidade do desenvolvimento de novos anticolinesterásicos.
Em relação aos compostos OF, existem vários métodos para o tratamento de into-
xicação, mas nenhum deles é eficaz contra todos os agentes neurotóxicos conhe-
cidos e contra todos os seus efeitos. Também, até o momento, não foi reportada
nenhuma oxima que seja efetiva contra todos os OFs. Isto demonstra a necessi-
dade do desenvolvimento de novos candidatos a fármacos, que sejam potentes e
eficientes contra todos os OFs e com baixo perfil de toxicidade.
12
­ 3o Trimestre de 2011
img
REFERćNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
- Delfino, R. T; Ribeiro, T. S; Figueroa-Villar, J. D. Organophosphorus Compounds as Chemical War-
fare Agents: a Review. Journal of the Brazilian Chemical Society, 2009, 20, 407.
- Demarin, V.; Zavoreo, I.; Kes, V. B.; Simundic, A. M. Biomarkers in Alzheimer s disease. Clinical
Chemistry and Laboratory Medicine, 2011, 49, 773.
- Domingos, J. B; Longhinotti, E; Machado, V. G; Nome, F. A Química dos Ésteres de Fosfato. Quí-
mica Nova, 2003, 27, 745.
- Freitas, M. B., Brilhante, O. M., Almeida, L. M. Importância da Análise de Água para a Saúde-
blica em Duas Regiões do Estado do Rio de Janeiro: Enfoque para Coliformes Fecais, Nitrato e
Alumínio. Cadernos de Saúde Pública, 17, 651, 2001.
- Good, P. F., Werner, P., Hsu, A., Olanow, C. W., Perl, D. P. Evidence for Neuronal Oxidative Dam-
age in Alzheimer s Disease. American Journal of Pathology, 1996, 149, 21.
- Gilman, A. G.; As bases farmacológicas da Terapêutica. 10th ed., McGraw-Hill, 2005.
- Kuka, K.; Jun, D.; Musilek, K.; Structural Requeriments of Acetylcholinesterase Reactivators; Mini-
Reviews in Medicinal Chemistry, 2006, 6, 269.
- Kuca, K., Musilova, L., Palecek, J., Cirkva, V., Paar, M., Musilek, K., et al. Novel Bisquaternary
Oximes-Reactivation of Acetylcholinesterase and Butyrylcholinesterase Inhibited by Paraoxon;
Molecules, 2009, 14, 4915.
- Marrs, T.C.; Maynard, R.L.; Sidell, F.R. Chemical Warfare Agents: Toxicology and Treatment. John
Wiley & Sons, 1996.
- Musilek K., Dolezal M., Gunn-Moore F., Kuca, K. Design, Evaluation and Structure-Activity Rela-
tionship Studies of the AChE Reactivators Against Organophosphorus Pesticides. Medicinal Re-
search Reviews, 2011, 31, 548.
- Nunes-Tavares, N.; Matta, A. N.; Batista e Silva, C. M.; et al., A Inibhition of Acetylcholinesterase
from Electrophorus electricus (L.) by Tricyclic Antidepressants. The Journal of Biochemistry & Cell
Biology, 2002, 34, 1071.
- Ordentlich, A.; Barak, D.; Sod-Moriah, G.; Kaplan, D.; Mizhari, D.; et al., Stereoselectivity toward VX
is Determined by Interactions with Residues of the Acyl Pocket as well as of the Peripheral anionic
site of AChE. Biochemistry, 2004, 43, 11255.
- Patrick, G. L.; An Introduction to Medicinal Chemistry. 2th ed., Ed. Oxford, 432, 2001.
- Petroianu, D. E.; Lorke, D. E.; Pyridinium Oxime Reactivators of Cholinesterase Inhibited by Di-
isopropyl-Fluorophosphate (DFP): Predictive Value of In-Vitro Testing for In-Vivo Efficacy; Mini-
Reviews in Medicinal Chemistry, 2008, 8, 1328.
- Rang, H. P.; Dale, M. M.; Ritter, J. M.; Drogas que Inibem a Cholinesterase. 4a edição, Guanabara
Koogan, 2001,110-115.
- Silman, I.; Sussman, J. L.; Acetylcholinesterase: "Classical" and "Non-classical" Functions and
Pharmacology. Current Opinion in Phamacology, 2005, 5, 293.
- Smith, M. A. C.; Doença de Alzheimer. Revista Brasileira de Psiquiatria, 1999, 21, SII 3.
- Sussman, J. L.; Harel, M.; Frolow, F.; Oefner, C.; Goldman, A.; Toker, L.; Silman, I.; Atomic struture
of acetylcholinesterase from Torpedo Califórnia: A prototypic acetylcholine-binding protein. Sci-
ence, 1991, 253, 872.
- Taylor, P., Brown, J. H. Acetylcholine. Basic Neurochemistry: Molecular, Cellular and Medical As-
pects. Lippincott-Raven Publishers, Philadelphia, USA, 214-242, 1999.
3o Trimestre de 2011 ­
13
img
- Viegas Jr., C.; Bolzani, V. S., Furlan, M., et al. Produtos naturais como candidatos a fármacos úteis
no tratamento do mal de Alzheimer. Química Nova, 2004, 27, 655.
- Santos V. M. R.; Donnici, C. L.; Dacosta, J. B. N.; Caixeiro, J. M. R.; Compostos Organofosforados
Pentavalentes: Histórico, Métodos Sintéticos de Reparação e Aplicações como Inseticidas e Agen-
tes Antitumorais, Química Nova, 2007, 30, 159.
- Worek, F.; Aurbek, N.; Wetherell, J.; Pearce, P.; Mann, T.; Thiermann H.; Inhibition, reactivation and
aging kinetics of highly toxic organophosphorus compounds: Pig versus mini pig acetylcholinester-
of
acetylcholinester-
ase; Toxicology, 2008, 244, 35.
- http://www.folha.com.br/eq802930, acessada em 18 de Agosto de 2011.
14
­ 3o Trimestre de 2011



topo da página